Sobre

NuPAALOGO_preta

O Núcleo de Práticas Artísticas Autobiográficas (NuPAA) é um grupo de pesquisa da Faculdade de Artes Visuais (FAV) da Universidade Federal de Goiás (UFG) liderado pelos professores Dra. Manoela dos Anjos Afonso Rodrigues (PPGACV/FAV/UFG) e Dr. Odinaldo da Costa Silva (FAV/UFG). O grupo está cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq  e tem como objetivo geral investigar poéticas artísticas e processos de criação a partir do entrecruzamento do campo das Artes com os Estudos Autobiográficos. O NuPAA nasceu no âmbito do projeto de pesquisa Práticas Artísticas Autobiográficas: Intersecções entre Prática Artística, Escritas de Vida e Decolonialidade, cadastrado junto à Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação (PRPI) da UFG em fevereiro de 2017 e, desde então, tem estimulado a criação de espaços de convergência para diversos outros projetos de pesquisa que articulam os campos da Arte e da Autobiografia.

Atualmente o NuPAA conta com três linhas de pesquisa:

1) MATERIALIDADES E IMATERIALIDADES AUTO/BIOGRÁFICAS NAS POÉTICAS ARTÍSTICAS E PROCESSOS DE CRIAÇÃO*, coordenada pela professora Dra. Manoela dos Anjos Afonso Rodrigues (PPGACV/FAV/UFG), com o objetivo de investigar materialidades e imaterialidades auto/biográficas na constituição de poéticas artísticas e processos de criação, individuais e/ou coletivos, em Pesquisas Autobiográficas em Arte com ênfase em: 1) Atravessamentos entre os estudos auto/biográficos e os estudos decoloniais na constituição de lugares de enunciação por meio do fazer artístico, individual e/ou coletivo; 2) Escritas de si (diário, sonhário, correspondência, memoir, dentre outros), Arquivos pessoais (álbum de família, objetos pessoais, coleções, registros audiovisuais, dentre outros) e Oralidades (testemunho, história de vida, história oral, saberes transgeracionais, dentre outras) nos processos de criação e na constituição do trabalho artístico em diversas linguagens; 3) Poéticas de (auto) localização que partem das relações entre o relato autobiográfico (de sujeitos e/ou grupos) e as noções de espaço, lugar, território, fronteira, natureza, ancestralidade, pertencimento, migração, esquecimento, exílio. Palavras-chave: Pesquisa Autobiográfica em Arte; Escritas de si; Pesquisa Narrativa; Transpedagogia; Autobiogeografia; Geopoéticas; Pensamento Sistêmico; Decolonialidade; Poéticas Artísticas; Processos de Criação. *Até 2021 esta linha se chamou Autobiografia e Decolonialidade nas Práticas Artísticas Contemporâneas. Seu título foi reformulado para aumentar sua abrangência e, ao mesmo tempo, sinalizar melhor as especificidades e interesses de pesquisa ligados à linha 1.

2) PROCESSOS ARTÍSTICOS DO CORPO E DA INTIMIDADE, coordenada pelo professor Dr. Odinaldo da Costa Silva (FAV/UFG), com o objetivo de investigar pelo viés autobiográfico os processos artísticos que abordam o corpo como ponto de partida e suas relações com o outro e com a paisagem, como também as escritas de si que são construídas no processo. Questões como: Intimidade, em que a relação de proximidade e envolvimento do corpo do artista com outrem seja um embate que estimule a produção; Solidão, no sentido de investigar esse estado de ser e como elaboramos uma poética partindo dele; Abandono, na relação entre as histórias de vida em que as várias formas de negligência de si sejam identificadas; Infância, com ênfase nos processos de criação que atravessem esse período da vida do artista; e Deslocamento, no entendimento das viagens pelas geografias em busca de motivos para se relacionar com outrem e também com a paisagem. Palavras-chave: Corpo; Intimidade; Infância; Solidão; Deslocamento; Autoetnografia. 

3) PRÁTICAS ARTÍSTICAS AUTOFICCIONAIS E DISSIDÊNCIAS NAS ESTRUTURAS DE GÊNERO E COLONIALIDADE, coordenada pela professora Dra. Ana Reis Nascimento (FEFD/UFG), com o objetivo de investigar processos de criação que abordem a autobiografia em uma perspectiva ficcional, assim como práticas artísticas que provoquem dissidências e rachaduras nas estruturas de gênero e colonialidade. Aborda os seguintes conceitos: Micropolíticas de guerrilha, pensando nas potencialidades da arte em produzir questionamentos políticos, insurgências e formas de ativismo e atuação no campo social; Autoficciografias, práticas artísticas autobiográficas que partam da ficcionalização de si gerando grafias inventadas; Conficcionários, como espaços de profanação da confissão, que abrem o lugar do imaginário e da transgressão no encontro com o outro e no ato de enunciação de si; Subjetividades sensoriais, como elementos de ativação dos sentidos a partir do corpo e seu encontro com as materialidades do mundo; Performatividade de gênero e contrassexualidade, na possibilidade de abarcar conceitos da teoria de gênero e das dissidências na prática artística; Rachas e rasgos, partindo de imagens constitutivas de um embate com as estruturas hegemônicas que geram brechas e novas possibilidades de criação e existência. Palavras-chave: Práticas Artísticas; Autoficciografias; Dissidências; Performatividade de gênero; Contrassexualidade; Micropolíticas de guerrilha; Rachas e rasgos.

O impacto das atividades propostas pelo NuPAA é observado em práticas artísticas, pesquisas de iniciação científica, propostas pedagógicas e trabalhos de conclusão de curso defendidos e premiados nos anos 2017, 2018, 2019 e 2020 no âmbito do curso Artes Visuais – Bacharelado da FAV/UFG. Há também pesquisas de mestrado em andamento no Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual (PPGACV/FAV/UFG), linha de pesquisa Poéticas Artísticas e Processos de Criação, sub-linha Pesquisa Autobiográfica em Arte, com foco nas relações entre o fazer artístico, as fontes auto/biográficas e os atos decoloniais.

Sobre o perfil da coordenação das linhas de pesquisa do NuPAA:

Manoela dos Anjos Afonso Rodrigues (linha 1): PhD em Artes pelo Chelsea College of Arts, University of the Arts London – CCW/UAL (2017). Mestre em Cultura Visual pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás – FAV/UFG (2008). Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual (PPGACV) vinculada à Linha de Pesquisa (B) Poéticas Artísticas e Processos de Criação, onde orienta pesquisas na sub-linha Pesquisa Autobiográfica em Arte. Coordena o Grupo de Estudos de Metodologias, Métodos e Abordagens da Pesquisa em Arte (GEMMA). Desde 2010 é membro do Comitê Poéticas Artísticas (CPA) da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas (ANPAP), da qual foi Presidente para o biênio 2019/2020. Membro da Associação Brasileira de História Oral (ABHO) desde 2018. Temas de interesse: Escritas e inscrições de si, memória autobiográfica, oniropoéticas, deslocamento, exílio, nomadismo, ancestralidades, poéticas do espaço e políticas do lugar.

Odinaldo da Costa Silva (linha 2): Doutor em Artes pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2018), na linha de pesquisa Poéticas Artísticas Contemporâneas. Mestre em Comunicação Social pela Universidade de Brasília (2007), na linha de pesquisa Imagem e Som. Graduado em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal da Paraíba. Professor na Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás. Desenvolvo o projeto de pesquisa “Paisagens Íntimas: processos artísticos autobiográficos do corpo e da intimidade”. Estou interessado em questões que partem do corpo, do meu/seu próprio corpo, e reverberam na relação com outrem e com o mundo. Temas como memória, deslocamento e fracasso atravessam meus interesses, como também possibilidades e estratégia de como viver junto da atualidade.

Ana Reis Nascimento (linha 3): Artista, pesquisadora, professora efetiva do Curso de Dança da Universidade Federal de Goiás (UFG). Doutora pelo programa de Pós Graduação em Artes da Universidade de Brasília (2020), graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal de Uberlândia (2008), mestre pelo Programa de Pós-graduação em Artes UFU, com subsídio da bolsa CAPES (2011). Atua na área de artes, com ênfase em performance, poéticas da imagem, autoficciografias, dissidências de gênero e subjetividade. Integra o grupo de pesquisa Núcleo de Práticas Artísticas Autobiográficas NUPAA (UFG). Idealiza e produz o festival “ROÇADEIRA: encontros performáticos em lugares Improváveis” em Goiânia desde 2012. Participou de diversas exposições, residências artísticas, festivais de performance e dança contemporânea.